::.. CARNAVAL 1995 - G.R.C.S.E.S. IMPÉRIO DE CASA VERDE................................
FICHA TÉCNICA
Data:  26/02/1995
Ordem de entrada:  1
Enredo:  Trajes, Jeitos e Trejeitos
Carnavalesco:  não consta
Grupo:  Seleção - B
Classificação:  1º
Pontuação Total:  99,0
Nº de Componentes:  não consta
Nº de Alegorias :  ,
Nº de Alas :  não consta
Presidente:  não consta
Diretor de Carnaval:  não consta
Diretoria de Harmonia:  não consta
Mestre de Bateria:  não consta
Intérprete:  não consta
Coreógrafo da Comissão de Frente:  não consta
Rainha de Bateria:  não consta
Mestre-Sala:  não consta
Porta-bandeira:  não consta
SAMBA-DE-ENREDO
VERSÃO ESTÚDIO

IMPÉRIO DE CASA VERDE
COMPOSITORES: BIRO DA GAVIÕES/ PINHEIRO/ GUI CAÇULA

 

É NESSE EMBALO QUE EU VOU

EXTRAVASAR MINHA ALEGRIA

NESTE REINO ENCANTADO

FIZ MEU SONHO FASCINADO

MERGULHAR NA FANTASIA

QUE SAUDADE

PIERROTS E COLOMBINAS

CONFETES E SERPENTINAS

ENRIQUECEM O CARNAVAL

DE AZUL E BRANCO A FOLIA É GERAL

 

MARINHEIRO, MARINHEIRO

VAMOS NAVEGAR

TRAJES, JEITOS E TREJEITOS

VAMOS RECORDAR

 

LINDAS FESTAS

OFERTADA PARA OS DEUSES

E HOJE ABENÇOADA

A IMPÉRIO CONSAGRADA

VEM MOSTRAR COM EMOÇÃO

QUE NO BAILE MASCARADO

PRÍNCIPE APAIXONADO

TEM A PRINCESA NO FUNDO DO CORAÇÃO

 

RODA BAIANA

TOCA BATERIA QUE EU QUERO VER

GINGA MULATA

QUE VOU JUNTO COM VOCÊ.

 

SINOPSE DO ENREDO
O Grêmio Recreativo
Autor: Raul Diniz

 

Desde a antiguidade o carnaval tem como objetivo, extravasar com alegria os dissabores da vida cotidiana. Festa profana onde as pessoas se comportam mascarando a realidade, querendo ser reis, rainhas, príncipes e princesas, piratas, palhaços, jardineiras enfim, cada um deixa sua personalidade de lado e incorpora as mais diversas fictícias. A alegria do comportamento se faz pela irreverência e por uma conduta animada, dissoluta na figura do folião.

O carnaval é uma grande festa, com o povo saindo às ruas, descontraído, mostrando que a folia pode e deve ser de todos, sem qualquer distinção de raça ou credo, onde o pobre e o rico são as mesmas pessoas, é a própria sagração da alegria. Brincando com sol ou chuva, gozamos a falta de dinheiro, debochamos da morte e da tristeza, sofremos o ano inteiro sem reclamar, a vingança chega em fevereiro, no carnaval. É um sonho etéreo e anormal, a vibração é de fora pra dentro.

Na origem o carnaval elimina a distância entre o ator e o público. Todos são ao mesmo tempo, personagens, foliões e espectadores, sereias e navegadores, recriando a distinção entre o palco e a platéia.

Para alguns, o termo carnaval é um desdobramento da expressão latina "Carrum Novalis", uma espécie de barco alegórico com o qual os romanos abriam alguns festejos. Para outros, o carnaval origina-se nas alegres festas pagãs como as de Ísis (Lua) e de Ápis (Boi Sagrado) entre os egípcios, os bacanais (festas em homenagem à Baco), as Lupercais (festas anuais em honra ao Deus Pã) e as Saturnais (oferecidas a Saturno) da Roma Antiga. Estas últimas, eram consagradas à farra destemperada e a capital do Império se transformava num local de esbaldamento libertino.

Na Europa, o carnaval consistia em batalhas de flores, desfiles de mascarados e acompanhamento instrumental, sendo muito interessante as formas musicais do carnaval da Idade Média. No final do século XIX o carnaval europeu entrou em decadência. O brilho dos festejos começou a se ofuscar nas cidades momescas, restando apenas a chuva de confetes e o desfile alegórico de Nice. Inversamente o carnaval brasileiro se arraigava, cresciam sua euforia, seu luxo e a sua importância na vida cultural do país.

Portugal introduziu no Brasil o que se tornaria posteriormente uma espécie de símbolo nacional brasileiro, orgulho da terra: O Carnaval com seus trajes, jeitos e trejeitos.

Quando não havia um motivo especial de comemoração, a festa carnavalesca se transformava numa espécie de vale-tudo, conhecida como entrudo. O crescimento da população durante o século XIX, contribuía para uma acentuação da rebeldia carnavalesca, com a participação de escravos negros e de mulatos.

A decadência e a repressão do entrudo, começa a se desenvolver o gosto pela máscara, para a qual seria canalizada a imaginação popular. O carnaval deixava de ser uma simples brincadeira, sendo hoje com seus trajes, jeitos e trejeitos o maior espetáculo da Terra.

 

FANTASIAS


No h contedo para este opo.



MAIS INFORMAÇÕES SOBRE G.R.C.S.E.S. IMPÉRIO DE CASA VERDE
HISTÓRIA | CARNAVAIS | HINO | CURIOSIDADES

 


:: SASP - SOCIEDADE DOS AMANTES DO SAMBA PAULISTA ::
WWW.CARNAVALPAULISTANO.COM.BR
SASP - UMA ENTIDADE COM DIFERENCIAL !!

Copyright ©2000-2016 | Todos os Direitos Reservados